Como fazer amigos e influenciar pessoas

O título do livro de Dale Carnegie é
praticamente o lema de vida de um grupo
muito específico, e importante, para a mídia
de hoje: os digital influencers.

Diga-me quem segues que eu te direi quem és…

Convidamos oito influenciadoras digitais de Piracicaba e região para falar sobre
essa tendência em comunicação que tomou conta do nosso dia a dia, das decisões
de consumo, do estilo e até mesmo da nossa vida.

Influencer, embaixador: esses termos são cada vez mais
usados no dia a dia. Embora a grande massa não saiba
dizer exatamente o que cada um caracteriza , muito
provavelmente grande parte da população já foi atingida
e influenciada por algum deles. Não importa qual é sua
tribo, você tem influenciadores. Seja uma dona de casa
que gosta de culinária e das novidades para o lar, seja um
millenial fã de games interativos e tecnologia, o mundo de
hoje está dominado por pessoas que se tornam relevantes
em determinado assunto perante um grupo social. E é
justamente essa relevância que tanto conquista as empresas
atualmente. Empresas e marcas de produtos e serviços
dia após dia têm percebido que, num universo com tantas
ofertas e estímulos, falar e estar próximo do seu públicoalvo
é ouro. “No marketing de influência o segredo é investir
não nos influenciadores maiores, mas nos específicos e
estratégicos, pois assim, mesmo com investimentos menores,
que geram alcances menores, os resultados podem ser
melhores e mais assertivos”, revela Celso Forster, sócio e
diretor de atendimento da BR Media Group, empresa líder
nas ativações de campanhas nas redes sociais de mais de
750 influenciadores de diferentes segmentos.

E o mercado já entendeu a importância de trabalhar com
influenciadores, e contratos anuais com embaixadores
já estão se tornando mais frequentes. “No Brasil não
temos uma pesquisa mais abrangente sobre as compras
como um todo, porém, para se ter uma ideia da força do
marketing de influência, nos EUA, onde um levantamento
abrangente foi feito, estima-se que 64% das compras
feitas em 2015 foram influenciadas pela internet”, conta
Forster. No Brasil o número pode ser um pouco menor,
porém a movimentação com a ampliação do mercado de
smartphones nos leva a uma performance bem similar.

Influência na decisão de compra
64% das compras feitas em 2015 nos
EUA foram influenciadas pela internet.

77% dos consumidores brasileiros tiveram
suas recentes decisões de compra influenciadas
diretamente pelas redes sociais.
Fonte: RhythmOne Full Year 2015 Influencer
Marketing Report, Nielsen Global Trust in
Advertising Survey – Q1- 2015

Marketing de influência – Consumidores

92% acreditam em recomendações
de outras pessoas, mesmo que sejam
desconhecidas.
70% listam recomendações on-line de
outros clientes como fator de influência de
compra.
Fonte: OMG + Twitter Influencer Attitudes, Perceptions
US, July 2010-Jan2016 – The Shelf

De acordo com uma recente pesquisa realizada pelo
instituto inglês de Hampshire Juniper Research, o mercado
de publicidade digital no mundo que hoje é estimado em $
160 bilhões de libras, devendo chegar a $ 285 bilhões em
2020. Deste mercado, segundo estimativa da BR Media,
cerca de 25 a 35% são destinados a ações em redes
sociais com influenciadores. Isso envolve a contratação do
influenciador e a contratação de mídia para promover o
conteúdo nas redes sociais do influenciador e da marca.
Cerca de 20% dos consumidores estão dispostos a pagar
mais por um produto ou serviço que teve endosso de uma
celebridade, segundo dados da pesquisa “The value of
using famous personalities in advertising communications,
a quantitative analysis of prices for a fashionable product”,
realizada pela professora de marketing da IE Business
School Anna Rumschisky.
No Brasil, 71% das mulheres dizem-se induzidas à
experimentação de um produto que está na moda,
conforme aponta o estudo “Celebridades. Marcas e
consumo”, realizado pela Ipsos. •

Compartilhar:

Posts Recomendados

Deixe um Comentário