Líder Online – Jorge Aversa Junior

Jorge Aversa Junior, diretor do Grupo Aversa, conversou com a TRIFATTO sobre empreendedorismo, liderança e as perspectivas para a economia do país. Acompanhe!

TRIFATTO: Como surgiu o Grupo Aversa?

JORGE AVERSA JUNIOR: A Aversa Automóveis foi inaugurada em setembro de 1969, há 46 anos, pelo meu pai, Jorge Aversa, com o objetivo de modernização para uma época em que quase não existiam lojas de carros usados. Os automóveis eram comercializados entre as pessoas, sem intermediação, e a Aversa Automóveis foi uma das pioneiras em Piracicaba nesse segmento.

TRIFATTO: Intimida-se por estar na liderança de uma empresa tão bem sucedida? Quais são os maiores e mais constantes desafios?

JORGE AVERSA JUNIOR: Intimidação talvez não seja a palavra, vejo como uma responsabilidade além de todas as obrigações fiscal, tributária, trabalhista, compromissos com montadoras, fornecedores e muitas famílias que dependem do sucesso da empresa. Os mais constantes desafios são satisfazer plenamente o cliente, o fornecedor, os colaboradores e atingir o retorno financeiro. Os maiores desafios são a macro economia, que muitas vezes não está sob o nosso controle.

TRIFATTO: O que é preciso para ser um bom líder?

JORGE AVERSA JUNIOR: Primeiramente, uma das principais características de um líder é gostar de pessoas e de ouvi-las. Ter um espírito empreendedor, que possa envolver pessoas por um objetivo, e que consiga, de uma forma democrática, mas com liderança, fazer com que todos caminhem na mesma direção. Vejo também como uma das características fundamentais para liderança a curiosidade, não podendo o líder se acomodar nunca, devendo participar de entidades empresariais, de serviços, ou qualquer outro tipo de instituição que o relacione com a comunidade. Também vejo como importante, além da leitura dos diários, ler livros técnicos, acadêmicos e práticos. Estudar sempre. No meu caso, depois dos 40 anos, fiz especialização em Varejo na UNIMEP e um MBA de Gestão na Fundação Getúlio Vargas. Participar de palestras e congressos é também uma atitude importante.

TRIFATTO: Como lidar com momentos não favoráveis para a economia?

JORGE AVERSA JUNIOR: Apesar de não ser fácil, precisamos manter a calma, pois todas as crises são cíclicas e, com certeza, em algum momento haverá a retomada. Não podemos, num primeiro momento, sair demitindo pessoas fiéis e treinadas, sem nenhum tipo de avaliação, pois é muito difícil e custa muito treinar pessoas. Temos que privilegiar os mais competentes, pois a produtividade e a eficiência, num momento de crise, são essenciais. A crise também é uma oportunidade de você ajustar sua empresa nos custos e na sua excelência.

TRIFATTO: Como o líder deve ser com os funcionários?

JORGE AVERSA JUNIOR: Mesmo tendo mais afinidade com alguns pela proximidade do trabalho, procuro participar de todas as confraternizações da empresa e também circular por ela conversando com a equipe. Minha posição é de respeito mútuo, amizade e procuro deixar muito claro que nosso barco é o mesmo.  As pessoas se motivam não só pelo salário, mas ele é primordial. Além disso, um ambiente de trabalho com uma equipe unida por um objetivo único faz com que as pessoas trabalhem felizes. O coração, a cabeça e o bolso é a equação ideal.

TRIFATTO: Algum livro inspirador para indicar?

JORGE AVERSA JUNIOR: Livros são muitos, mas saliento um que gostei: “A Meta: um processo de melhoria contínua”, de Eliyahu M. Goldratt e Jeff Cox, da Editora Nobel, escrito em forma de romance. Esta obra mostra como seria possível superar os problemas de uma empresa que está com atrasos na produção e baixa receita. Muito bom.

TRIFATTO: Fora do ambiente profissional, quem é você?

JORGE AVERSA JUNIOR: Gosto de me reunir com amigos e familiares. Como um bom italiano, gosto de estar com pessoas queridas, com uma boa comida e uma boa bebida.

 TRIFATTO: Qual seu conselho para novas empresas alcançarem o sucesso?

JORGE AVERSA JUNIOR: Um planejamento auxiliado por diversas entidades de classe, como Sebrae, associações comerciais, FIESP, Ciesp  e outros. Treinamento, escolha do ramo de atuação, muito trabalho e, principalmente, saber recrutar pessoas.

TRIFATTO: Quais são as perspectivas para o 2º semestre no setor que está inserido?

JORGE AVERSA JUNIOR: Vejo um segundo semestre difícil para todos os segmentos, pois o Brasil tem problemas econômicos e políticos, mas principalmente éticos e há falta de confiança tanto dos investidores quanto dos consumidores. Acho que estamos atravessando o pior momento, mas em 2016 vejo que teremos uma retomada do desenvolvimento.

O Brasil é um país rico, principalmente em recursos naturais. O mundo está saindo da recessão, tanto a Europa, quanto os Estados Unidos, o Oriente e quase toda América Latina. Nossos problemas são locais. Com algum fato que está por acontecer, do ponto de vista da confiança do povo, ele  voltará a consumir, as empresas a investir e a retomada será muito rápida.

O país tem uma demanda reprimida de todos os produtos e serviços e, consequentemente, investidores externos deverão investir em infraestrutura. E esse momento está muito próximo de acontecer. Depende de nós. Que venha 2016!

Compartilhar:

Posts Recomendados

Deixe um Comentário