Start Ups: Guia prático para não errar

Se for começar, comece não só com o pé direito, mas comece direito. Um startup, para ser “up” de verdade deve respeitar algumas leis básicas, e nada melhor que aprender com o exemplo dos que já passaram por isso e se deram bem.

Toda longa caminhada tem início com os primeiros passos. A frase parece óbvia demais, mas em sua aparente simplicidade esconde um tesouro. Esses primeiros passos devem ser dados com segurança e razão, pois eles é que podem ditar o rumo de uma vida inteira. E quando o assunto são os negócios, então multiplique a importância desse começo por mil.
E a febre das startups, capitaneada por uma imensa publicidade em torno dos exemplos bem-sucedidos em títulos de reportagens maravilhosas do tipo “Como fulano chegou do nada ao topo”, estas não citam que a cada 10 novos negócios que surgem, mais da metade não passa do primeiro ano de existência.
Não são poucas as startups que vão à falência anualmente, mas os motivos não são infinitos. É possível identificar um padrão nos problemas que elas enfrentam e que são capazes de destruí-las – e eles, normalmente, partem do próprio empreendedor.
Muitos empreendedores e venture capitals enxergam alguns erros comuns que são letais para um negócio.
Não basta simplesmente ter uma “ideia genial”, montar uma equipe, definir um local e colocar tudo para funcionar. São tantas as tarefas de quem decide se aventurar a criar uma startup que o melhor mesmo é antes de tudo pensar e se aconselhar com quem entende do assunto.
Para o empresário Yuri Gitahi, CEO da empresa Aceleradora (MG) e consultor do Sebrae, definir o local da sede da empresa é o primeiro importante passo. “Quando se fala de pequenas e médias empresas, existem dois destinos certos no Brasil: São Paulo, pela abundância de negócios e consumo, e regiões em desenvolvimento, pela carência de produtos e serviços em diversos setores”, afirma o consultor.
“Porém, dependendo do modelo de negócio da sua startup, a geografia pode ser o menor dos seus problemas para crescer e ganhar escala – tudo depende de você criar um canal de distribuição eficiente, como a internet, Sedex ou mesmo um telefone”, completa Yuri. Um exemplo simples, dado por Yuri,  é um empreendedor que mora em uma cidade pequena do interior, mas quer criar um serviço web para donos de delivery fast-food: “inicialmente, é melhor conversar muito com seus potenciais clientes em uma cidade grande. Quando você tiver encontrado o encaixe certo entre sua oferta e a demanda do mercado, o interior provavelmente terá custos menores para sua operação ser viável”, aconselha.
Errar também pode fazer parte do processo, mas é preciso aprender a corrigir um erro rapidamente e retomar o trabalho. Bom se houvesse uma receita que valesse para todos. Mas há alguns padrões gerais de erros que podem muito bem ser evitados.

FUJA DESSES ERROS

Após analisar as respostas dos maiores especialistas do mundo no assunto, bem como de empresários que se deram bem e outros nem tanto, o conceituado site norte-americano Enterpreneur.com listou os dez maiores erros a serem evitados para quem está iniciando um negócio. Confira:

  1. Não preparar sua vida para isso

Da mesma forma que nenhuma pessoa corre uma maratona sem treinamento, empreendedores não deviam abrir uma startup sem antes ter um certo treino, criar relacionamentos, descansar, etc. Isso porque uma startup vai mudar toda a sua vida.

  1. Confundir um produto com um negócio

É preciso saber diferenciar um conceito do outro: um produto resolve uma necessidade individual, enquanto um negócio pronto possui algo que fará com que os consumidores voltem sempre. Para fazer a distinção, você precisa saber se possui potenciais fontes de renda além da compra de seu produto.

  1. Não pagar pela especialidade

Todas as partes de um negócio devem ser feitas de maneira profissional e quase perfeita – e, de preferência, por alguém que tenha conhecimento sobre isso. O indicado é que, mesmo que você consiga se virar em seu negócio, você acabe contratando pessoas para lidar com questões específicas de seu negócio.

  1. Ignorar dados

Não basta apenas acreditar que seu negócio será bem sucedido: você precisa ter números e figuras que mostrem se isso é ou não verdade. É preciso ter dados para validar sua ideia, indicar o que ela possui, etc.

  1. Escalar muito rapidamente

Uma pesquisa do Startup Genome indica que 74%  das  startups online de grande crescimento não dão certo porque escalaram rápido demais. O problema é que, após arrecadar uma boa quantia de dinheiro, as empresas acabam não gastando da maneira correta e drenam seu orçamento com coisas que não são essenciais para seu negócio.

  1. Ficar preso a uma ideia errada

É importante ter em mente que pode ser necessário deixar uma ideia de lado, pois é algo que não dará certo.

  1. Errar na divisão

Ao invés de ter uma pessoa para cada tarefa em sua empresa, você tenta fazer tudo por conta própria – e é isso que destrói seu negócio. O que você deve fazer é começar a desenhar o processo de seu negócio como um guia e identificar como as coisas devem ser feitas e por quem.

  1. Pensar que dinheiro resolve tudo

Levantar investimentos, ter recursos e outras questões relacionadas a dinheiro não são as únicas coisas em que você para seu negócio.

  1. Subestimar o tempo para começar a vender

Um longo processo acontece até sua empresa começar a vender e ter lucro. Alguns empreendedores podem ter isso de maneira mais rápida, mas, na realidade, isso pode levar a mais de um ano.

  1. Ter medo de errar

Nenhum empreendedor quer o oposto de sucesso, mas ele provavelmente acontecerá em algum momento, seja um problema capaz de destruir sua empresa ou um problema fácil de ser superado.

Compartilhar:

Posts Recomendados

Deixe um Comentário