TRICultura: E o Oscar vai para…

Os filmes indicados ao Oscar de 2017 trazem o drama como foco principal de suas tramas. As produções chegam a um momento importante da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood: ao de rever conceitos e adaptar-se às exigências da sociedade por parâmetros mais inclusivos. Assim, atores negros, além de receberem mais indicações, estão em pelo menos três produções que prometem segurar a atenção este ano e valem ser conferidas.

 

Todos os anos, milhões são gastos em megaproduções cinematográficas em todo o mundo. Muitas, principalmente as de origem norte-americana, um dos principais realizadores de filmes, acabam por influenciar ações e opiniões de expectadores, permitindo muitas vezes revelar, além de histórias que divertem, aquelas que tocam, levam à reflexão ou dão vida a best-sellers já consagrados e transformados até mesmo em sagas, garantindo audiências avassaladoras. Ao longo dos últimos anos, a Academia vem sofrendo transformações importantes para se adaptar à sociedade. Este ano, após ser muito questionada, a instituição passou a discutir e a tomar decisões para adequar-se à necessidade de adaptações para tornar-se mais inclusiva. Confira as obras cinematográficas indicadas ao Oscar de Melhor Filme deste ano. A premiação será exibida no dia 26 de fevereiro.

 

Estrelas além do tempo.

Neste momento importante, uma das grandes apostas do ano de 2017 traz à tona uma história até então desconhecida do grande público: a da atuação de mulheres negras, funcionárias da Nasa no início dos anos 1960, como parte fundamental do sucesso americano na corrida espacial para chegar à Lua. Estrelas além do tempo, do diretor Theodore Melfi, conta a história de um grupo de mulheres, em especial de um trio, que atuava anonimamente no programa espacial da agência, numa época em que as leis de segregação racial estavam ainda em vigor. O filme, que mistura drama e humor, concorre a três estatuetas: Melhor Roteiro Adaptado, Melhor Atriz Coadjuvante para Octavia Spencer e Melhor Filme.

 

Lion: uma jornada para casa

Na linha das produções baseadas em fatos reais, Lion: uma jornada para casa traz a história de um indiano que se perde da família aos 5 anos de idade, ficando a milhares de quilômetros de casa. Adotado por um casal australiano, ele enfrenta desafios e, após 25 anos, inicia uma jornada à procura da verdadeira família, usando a tecnologia do Google Earth. Lançado em 2016 em diversos festivais pelo mundo, com críticas positivas às performances dos atores Dev Patel e Nicole Kidman, Lion chegou às salas de cinema brasileiras somente neste mês de fevereiro. O elenco conta ainda com Rooney Mara, e a direção é de Garth Davis.

 

Até o último homem

Ainda dentro do gênero realidade no cinema, até o último homem conta a história do médico do exército Desmond T. Doss (Andrew Garfield), que durante a Segunda Guerra Mundial se recusa a pegar em uma arma e matar pessoas. Em vez disso, salva mais de 75 homens na ala médica durante a Batalha de Okinawa, recebendo condecorações e tornando-se o primeiro opositor consciente da história norte-americana a receber a medalha de honra do Congresso.

 

La La Land: cantando estações

Trata-se de um romance musical entre uma aspirante a atriz e um pianista, com foco numa noção mais realista de pessoas que vão a Los Angeles na tentativa de dar certo no show business. O título é uma referência à cidade na qual o filme é ambientado e ao termo La La Land, que significa fora da realidade. Depois de lançada no Festival de Cinema de Veneza, em agosto de 2016, a produção recebeu muitos elogios das críticas especializadas e foi considerada uma dos melhores do ano. O elenco repete a dobradinha Emma Stone – Ryan Gosling e foi dirigido por Damien Chazelle. O filme tem 14 indicações em 13 categorias do Oscar. Um limite entre nós O filme narra a vida e os dramas de uma família negra norte-americana na década de 1960. O pai, vivido por Denzel Washington – também responsável pela direção –, tenta criar seus filhos em meio a problemas raciais, ao lado da esposa, interpretada por Viola Davis. A produção foi baseada na peça de August Wilson, vencedora do Pulitzer, e tem no elenco Mykelti Williamson, Jovan Adepo, Stephen Henderson e Russell Hornsby. Apesar de não ter sido exibido previamente em nenhum festival, o filme é cercado de grande expectativa e apontado como cinco estrelas por diversos sites de cinema.

 

A chegada

Quando seres interplanetários deixam marcas na Terra, a linguista Louise Banks, especialista no assunto, é chamada para traduzir os sinais deixados no planeta e desvendar se os alienígenas representam perigo.Porém, as respostas podem significar uma ameaça à vida da doutora e à existência de toda a humanidade. Com direção de Denis Villeneuve, o filme conta com Amy Adams, Jeremy Renner e Forest Whitaker no elenco.

 

Moonlight – Sob a luz do luar

Na tentativa de tenta escapar do caminho fácil da criminalidade e do mundo das drogas de Miami, Black (Trevante Rhodes) trilha uma jornada de autoconhecimento, encontrando amor em locais surpreendentes e sonhando com um futuro maravilhoso. Com Barry Jenkins na direção, o filme tem no elenco Mahershala Ali e Janelle Monáe, que também contracena em Estrelas além do tempo.

 

A qualquer custo

Pressionados pela proximidade da hipoteca da fazenda da família, no interior do Texas, os irmãos Toby (Chris Pine) e Tanner (Ben Foster) resolvem assaltar bancos para obter a quantia necessária ao pagamento. O detalhe é que eles apenas roubam agências do próprio banco que está cobrando a hipoteca. Como toda história de mocinhos e bandidos, no caminho eles precisam lidar com um delegado veterano (Jeff Bridges), prestes a se aposentar. Com direção de David Mackenzie, o filme pode chamar atenção por detalhes de produção e culturais, como a cena em que Toby oferece cerveja ao filho – vale lembrar que o Texas é um dos dez estados americanos que permitem menores de idade consumirem álcool em situações específicas, como na própria casa ou sob a supervisão do responsável. Aliás, nenhuma cena foi realmente filmada no Texas. Partes do filme foram feitas no Casino Route 66, com a participação de patrões e funcionários do local.

 

Manchester à beira-mar

Matt Damon desistiu da direção desse filme, cujo roteiro esteve na Blacklist 2014 – a lista dos melhores do ano –, e seguiu como produtor, deixando nas mãos de Kenneth Lonergan a história de Lee Chandler (Casey Affleck). Forçado a retornar à sua cidade natal para tomar conta do sobrinho após a morte precoce do pai do rapaz, Lee tem de vencer fortes questões emocionais. A situação complica quando ele precisar enfrentar as razões que o fizeram ir embora e deixar sua família, anos antes. O elenco conta ainda com Michelle Williams e Kyle Chandler. •

Compartilhar:

Posts Recomendados

Deixe um Comentário